Ano 17

48 Festival de Gramado - Curtas

Cena de Receita de Carangueijo (2020), de Issis Valenzuela
O Festival de Cinema de Gramado chega à sua 48a edição, de 17 a 26 de setembro de 2020. Pela primeira vez, o site Mulheres do Cinema Brasileiro faz a cobertura, possibilitada pelo novo formato devido à pandemia da Covid-19, com exibição dos concorrentes no Canal Brasil e com programação também no hotsite do canal.

Renata Boldrini e Marla Martins foram as mestres de cerimônia da abertura anunciando os dois curtas e os longas da noite, com exibição no Canal Brasil, assim como a chamada para que os cineastas fizessem breve saudação e apresentassem seu filmes.

A edição 2020 do Festival de Gramado tem como curadores o jornalista e crítico Marcos Santuario; o jornalista, apresentador e cineasta Pedro Bial; e a atriz argentina  Soledad Villamil.

Os homenageados são o ator Marco Nanini, com o Troféu Oscarito; a cineasta Laís Bodanzky, com o Troféu Eduardo Abelin; a atriz Denise Fraga, com o Troféu Cidade de Gramado; e o ator César Trancoso, com o Troféu Kikito de Cristal.

O Site Mulheres do Cinema Brasileiro vai acompanhar a exibição dos filmes brasileiros em competíção, e, com isso, conferiu os primeiros curtas e longa exibidos: 4 bilhões de infinitos (2020 -MG), de Marco Antonio Pereira, e Receita de Carangueijo (SP), de Issis Valenzuela; e Por que você não chora (DF), de Cibele Amaral.


Curtas

4 bilhões de infinitos é uma produção mineira dirigida por Marco Antonio Pereira, de Cordisburgo. Com duração de 15 minutos, o curta focaliza a relação de duas crianças, filhos de uma família pobre chefiada pela mãe viúva. O menino (Adalberto Gomes), introspectivo, vê na irmã afetuosa (Ana Júlia Gomes) a parceira das brincadeiras e, sobretudo, a confidente. Ambos, cada qual com seu olhar para a vida que os cercam, conversam na cama e apresentam para nós suas impressões de mundo e sobre as coisas.

Ela tem olhar que espreita a felicidade e a alegria associada a esse mundo infantil, ainda que, mesmo assim, seja possível adivinhar também a consciência do universo em que transita.  Já ele, concentrado em suas descobertas e aventuras, tem olhar  entristecido, mas como a adivinhar que novos mundos e caminhos são possíveis, como os de que um lençol estendido possa oferecer.

Há em 4 bilhões de infinitos o registro, em cada fotograma, de um cenário humano e geográfico do interior que nunca se esvai. No entanto, jamais cai nas armadilhas da construção de um mundo idílico, pois a própria trama que se descortina nos apresenta suficientemente as dificuldades pelas quais passam aquela família, ainda que preserve um tônus para quem vive ou já viveu em ambientes assim logo se reconheça.

Pelas ações da mãe (Aparecida Gomes), como no amparo à vizinha, toda a realidade dura, ainda que com afeto, se concretiza. Pelo olhar das duas crianças, e, sobretudo, na miragem para o lençol branco, um convite para a força da construção de um imaginário sempre possível, e para que epifanias possam acontecer  sobre o ordinário instaurado.

Receita de Carangueijo tem duração de 19'45" e é produção paulista dirigida por Issis Valenzuela, que contou na apresentação do filme que aprendeu a preparar a iguaria com a avó. O curta traz para o centro da cena apenas duas personagens, uma jovem mãe (Preta Ferreira) e sua filha adolescente (Thaís Mello), que vão passar uma temporada na praia em Santos. 

Receita de Carangueijo aposta em tom contido para contar sua história, ainda que as emoções de suas personagens exploda em subterrâneos. Sobretudo as da adolescente, que não só se vê mulher como também busca em seu entorno um entendimento para seu percurso de transformações.

Ela, a garota, vê nos programas televisivos sobre o mundo animal analogias que refletem seu estado de susto contido e mudanças em turbilhão. Já a mãe, ainda que em dor aparente, oferece o possível conforto. O foco materializado nesse estado de coisas se dá no preparo da tal receita que dá título ao filme, e que, é preciso dizer, aflige pela, já sabida, tortura ao crustáceo pelo modo como é preparado.

E quando o corpo vivo se contorce e tenta se libertar em dor na panela fervente, o olhar de reconhecimento da garota percorre toda uma transversal de tempos idos e vindouros, Do feminino, da mulher, e da dolorosa, assustadora e fascinante passagem para a vida que se avizinha.


*****************

48o Festival de Cinema de Gramado
De 17 a 26 de setembro - exibição no Canal Brasil e pelo hotsite do canal.

::Voltar
Sala 
 Betty Faria
Com amor profundo pelo cinema, premiada em vários festivais no Brasil e no exterior