Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/curto/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/longo/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/persistent/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/models/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Mulheres do Cinema Brasileiro - Mulheres
Ano 14

Juliana Rojas

*23 de junho de 1981 - *Campinas - SP


A cineasta e montadora Juliana Rojas nasceu em Campinas, São Paulo, em 23 de junho de 1981.

Em 2005, gradua-se em Cinema na USP, com especialização em montagem, roteiro e som.

Ainda na época da escolas, realiza vídeos e exercícios com Marco Dutra e juntos dirigem, como conclusão de curso, o curta-metragem O lençol branco (2005), que é exibido na Sessão Cinefondation do Festival Cannes.

O lençol branco marca a parceria entre os diretores, que dirigem o premiado curta Um ramo (2007), filme que traz elementos fantásticos para o dia-a-dia urbano contemporâneo, uma das marcas do cinema da dupla.

Um ramo foi selecionado para a Semana da Crítica em Cannes, na qual ganhou o prêmio de Melhor Curta.

Em seguida os dois dirigem o curta As sombras (2009), e segmento do longa Desassossego – filme das maravilhas (2010).

O notável Trabalhar cansa (2011) é o primeiro longa de Juliana Rojas e Marco Dutra. Protagonizado por Helena Albergaria, atriz de vários filmes dos diretores, e por Marat Descartes, o filme também é exibido no Festival de Cannes.

Já os curtas Pra eu dormir tranquilo (2011) e O duplo (2012) foram dirigidos apenas por Rojas - esse último também premiado no Festival de Cannes.

Juliana Rojas é também montadora com filmes importantes no currículo, como Os dias com ele (2012), de Maria Clara Escobar, Corpo presente (2012), de Paolo Gregori e Marcelo Toledo, O que se move (2012), de Caetano Gotardo, e Quando eu era vivo (2013), de Marco Dutra.

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Ana Carolina
Cineasta de assinatura personalíssima e de filmografia inquietante.