Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/curto/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/longo/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/persistent/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/models/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Mulheres do Cinema Brasileiro - Mulheres
Ano 14

Natália do Valle

*06 de março de 1951 -

Cena de Pra frente Brasil, 1982, Roberto Farias
Cena de Pra frente Brasil, 1982, Roberto Farias
Natália do Valle é ótima presença em Pra frente Brasil.

Natália do Valle começou a carreira no teatro amador, e ainda que depois se consagre na televisão, continua a carreira nos palcos - é uma das protagonistas da comédia A partilha, de Miguel Falabella, um de seus maiores sucessos . Roda cor de roda (1979) e Capitanias hereditárias (2002) são alguns de seus trabalhos no teatro. Estreia como atriz de novelas como Aurora ,no marco Gabriela (1975), de Walter George Durst, uma das maiores novelas de todos os tempos. Sua atuação na obra a projeta e ela atua em muitas outras, sempre em papel de destaque ou como protagonista – a Márcia de Água viva (1980), a Lúcia de Baila comigo (1981), a Débora de Final feliz (1982/83), a Marília de Transas e caretas (1984), a Suzanne de Que rei sou eu? (1989), e a Wanda de Insensato coração (2011), são alguns de seus sucessos. A atriz estreia no cinema em uma coprodução Brasil/Portugal, Kilas, o mau da fita (1981), dirigida pelo cineasta português José Fonseca e Costa, como Lily-Bobó. Grande sucesso de bilheteria em Portugal, onde também foi premiado, o filme participou do Festival de Berlim e foi premiado no Festival de Cinema de Biarritz, França.

Natália do Valle encontra o contundente cinema de Roberto Farias em Pra frente Brasil (1982). No filme ela é Marta Godói, a esposa de Jofre (Antônio Fagundes), homem que é torturado pela ditadura militar, mesmo sem ter envolvimento com nenhum movimento político, em pleno período de euforia da Copa do Mundo de 1970. Realizado ainda durante a ditadura, o filme fala corajosamente sobre tortura e os assassinatos do regime. A atriz fica durante décadas afastada do cinema, até a volta como a doutora Paula, em Polaróides urbanas (2007), comédia dirigida por Miguel Falabella.


Filmografia

Kilas, o mau da fita, 1981, José Fonseca e Costa
Pra frente Brasil, 1982, Roberto Farias
Polaróides urbanas, 2007, Miguel Falabella

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.