Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/curto/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/longo/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/persistent/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Warning (512): /home/mcb/public_html/site/app/tmp/cache/models/ is not writable [CORE/cake/libs/cache/file.php, line 267]
Mulheres do Cinema Brasileiro - Mulheres
Ano 14

Berta Zemel

*06 de agosto de 1934 - São Paulo - SP

Cena de Diário da província, 1978, Roberto Palmari
Cena de Diário da província, 1978, Roberto Palmari
Uma das damas do nosso teatro, Berta Zemel fez poucas incursões em novelas e filmes, porém sempre que atuou nessas produções, seja na telinha ou na telona, o resultado foi, e vem sendo sempre, exercícios que só reforçam o seu talento arrebatador.  

Uma das mais importantes atrizes brasileiras, Berta Zemel dedica sua carreira quase que exclusivamente ao teatro. Nos palco emociona plateias, como fez na sua volta à cena com Anjo duro, de Luiz Valcazaras, depois de anos apenas dedicada ao ofício de ensinar, através do curso de teatro que mantém por cerca de três décadas. A atriz tem poucas novelas no currículo, ainda assim arrebatou o público em dois marcos da extinta TV Tupi: a emocionante Vitória bonelli, de Geraldo Vietri, em 1972; e a sofisticada e inesquecível Gaivotas, do mestre Jorge Andrade, em 1979. No cinema, estréia em O quarto, segundo filme do importante crítico e cineata Rubem Biáfora, em 1968. Nos anos 70, a atriz atua em apenas mais dois longas, Que estranha forma de amar, de Geraldo Vietri, e em Diário da província, de Roberto Palmari.  

Depois dessas produções dos anos 70, Berta Zemel fica mais de vinte anos longe das telas do cinema nacional. A atriz retorna em 2002 no filme Desmundo, adaptação de Alain Fresnot do livro homônimo de Ana Miranda, em que tem atuação elogiada. Depois da comédia romântica O casamento de romeu e julieta, de Bruno Barreto, ela tem duas das mais impactantes atuações de sua carreira cinematográfica, em A casa de alice, de Chico Teixeira, e Fronteira, de Rafael Conde.


Filmografia

O quarto, 1968, Rubem Biáfora
Que estranha forma de amar, 1977, Geraldo Vietri
Diário da província, 1978, Roberto Palmari
Desmundo, 2002, Alain Fresnot
O casamento de romeu e julieta, 2005, Bruno Barreto
A casa de alice, 2007, Chico Teixeira
Fronteira, 2008, Rafael Conde
O imaginante quarto da vovó, 2009, curta, Marcela Arantes
Senhoras, 2010, curta, Adriana Vasconcelos
Onde você vai?, 2010, curta, Victor Fisch

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.